A tentação de Jesus no deserto

Raul Monteiro, raulmont_72@hotmail.com

Evangelho do 1º Domingo da Quaresma
Mateus 4, 1-11

Jesus foi conduzido pelo Espírito Santo ao deserto, na mesma área em que João Batista vivia e pregava, onde Satanás foi tentá-Lo e usando a própria Escritura procurou convencer Jesus a cair nas suas artimanhas. Jesus, porém, cheio do Espírito Santo, venceu todas as investidas e superou as tentações do prazer, do ter e do poder, as três fraquezas que conduzimos em nosso ser que é fruto do pecado original.

Jesus nos dá uma lição, para quando estivermos sendo sugestionados a empreender qualquer obra que não tenha como finalidade a observância da Palavra de Deus. A natureza humana é tal que, com um pequeno incentivo, acaba cedendo ao mal. Na luta do cristão contra o diabo, o principal campo de batalha é a tentação.

Jesus era diferente, não tinha essa natureza pecadora e sendo o Filho de Deus, não podia ser tentado pelo mal e enfrentou Satanás que acenava para Ele com as coisas que os humanos valorizam.

Pelo fato de que foi o Espírito Santo que levou Jesus para o deserto mostra que Deus pretendia que Jesus fosse totalmente humano e sofresse tentação. Note-se as três tentativas de Satanás para seduzir Jesus.

Primeiro Satanás afirma: - Se és Filho de Deus, manda que estas pedras se tornem em pães.

Jesus necessitava de alimento para sobreviver, porém, apesar de jejuar e estar com o organismo fraco, teve forças para resistir às investidas do maligno. Seu jejum resultava de uma intensa reflexão e comunhão com Deus. Terminado o período do jejum, mesmo com fome, Jesus não se rendeu ao prazer de comer e foi mais além do que Satanás esperava, lhe dando a resposta: - Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus.

O diabo ataca as nossas fraquezas. Ele não se acanha em provar nossas áreas mais vulneráveis Depois apelou para o sentimento que o homem tem, de mostrar que tem poder e prestígio a fim de dominar todas as coisas e transportou Jesus à Cidade Santa e O colocou sobre a parte mais alta do Templo e disse-lhe: - Se tu és o Filho de Deus, lança-te daqui abaixo, porque está escrito, que Deus deu ordens a seus anjos para proteger-te com cuidado, para não machucares o pé em alguma pedra. Ao que Jesus lhe respondeu: - Também está escrito, não tentarás ao Senhor teu Deus.

Jesus provou que era o Filho de Deus e conhecendo as Escrituras perfeitamente, deu uma resposta simples e arrasadora para esta tentação, tirada do Antigo Testamento (Dt 6, 16).

Jesus faz referência a Bíblia, como nossa autêntica base da prática de fé cristã. Se está escrito, nós, católicos, devemos levar em séria consideração o caráter histórico da revelação bíblica. A confiança verdadeira aceita a palavra de Deus e não necessita testá-la.