O Pai trabalha sempre - Reflexão de Dom Alberto Taveira Corrêa

A sucessão contínua das estações demonstra a sabedoria com que Deus pensou todas as coisas. A variedade de flores e frutos amazônicos o testemunha magnificamente quando percorremos nossos mercados e feiras e encontramos a profusão de remédios naturais, com que gerações se trataram e enfrentaram suas dificuldades de saúde. De nossas plantas se extraem essências usadas em perfumes, nossas florestas atraem pesquisadores de todas as partes do mundo e ainda não descobrimos uma mínima parte daquilo que podem oferecer! Que dizer então de peixes e crustáceos ou dos animais de nossa fauna tão rica que se multiplicam por toda parte! Dentre tantos frutos amazônicos, Deus foi generoso ao criar o açaí! A riqueza de combinações com que é utilizado faz pensar no Pai que não abandonou as gerações que nos precederam, tendo nele um dos alimentos mais ricos!

Ganhamos de presente paisagens maravilhosas, mar e rios, praias deslumbrantes, espaço para o descanso e o lazer! Mais ainda, temos um povo que cruzou mares e rios, percorreu florestas, abriu estradas constituiu famílias e legou às atuais gerações uma cultura da qual somos devedores de santo orgulho e perene gratidão. Temos força para trabalhar e motivos para tomar posse da herança de filhos, deixada pelo Pai do Céu que, no sexto dia da criação, viu que tudo era muito bom! Vale a pena sugerir que este mês de julho, com calor, férias, praias e encontros de pessoas e famílias seja aproveitado com este olhar.

Esta é a compreensão que a fé nos oferece a respeito da vida! Sabemos que há inteligência e paternidade, ternura e carinho por trás de tudo. Podemos repetir confiantes, como o salmista: "Meu auxílio vem do Senhor, que fez o céu e a terra. Não deixará teu pé vacilar, aquele que te guarda não dorme. Não dorme, nem cochila o vigia de Israel. O Senhor é o teu guarda, o Senhor é como sombra que te cobre, e está à tua direita. De dia o sol não te fará mal nem a lua de noite. O Senhor te preservará de todo mal, preservará tua vida. O Senhor vai te proteger quando sais e quando entras, desde agora e para sempre" (S1 120, 2-18). O mundo e os seres humanos não são obra do acaso! O Pai trabalha sempre!

Entretanto, o mistério do mal se faz presente, fazendo com que o olhar extasiado se turve! No grande painel, obra de artista que a fé nos faz contemplar, parece existir defeitos! Muitos podem até dizer que a chuva de Belém não é mais pontual! O antes ou o depois da chuva já não podem ser referência! Algumas pessoas, olhando para as mazelas sociais que nos cercam, ou a violência que ameaça, ficam saudosas do "seu tempo", como se os dias que correm não lhes pertencesse. E o passado é que é bonito. Para outros, se Deus existe, deve estar dormindo ou cansado de cuidar do mundo.

Ao invés disso, o cristão tem consciência da misteriosa presença do mal, mas não esmorece. Reconhece suas faltas pessoais, revê corajosamente suas atitudes diante da natureza e seu relacionamento com as pessoas e projeta o otimismo da fé em tudo o que faz. Sabe que a vida é obra de amor eterno de Deus e se empenha em descobrir os rastros de seus passos de Pai, com os quais deixou na própria natureza os sinais para a vida e a felicidade. Quem assim entende a vida pode ter uma relação pacífica com os acontecimentos que o cercam!

A obra do Pai chegou à plenitude quando enviou seu Filho amado. Nele todas as coisas foram feitas. Em sua morte e ressurreição se encontra a chave para abrir o livro da vida! O Reino que anuncia se parece com o trabalho incansável do Pai semeador, que nunca deixa de espalhar a boa semente (Cf. Mt 13, 1-23)! Sua presença não deixa indiferentes as pessoas, seja qual for sua situação. Nele tudo encontra sentido e rumo.

Como a história da salvação se faz com o mistério da liberdade, cabe-nos responder à iniciativa de Deus. Acolher o bem que Ele mesmo nos oferece, de nossa parte espalhar o bem, ter a paciência do agricultor que espera a safra, saber "negociar", oferecendo e recebendo gestos de delicadeza e amor com os outros. A semeadura de Deus e o generoso trabalho humano produzirão frutos "cem por um".


Dom Alberto Taveira Corrêa
ARCEBISPO METROPLITANO DE BELÉM DO PARÁ

Link do texto