Discurso de João Paulo II em Marituba em 1980

O Papa João Paulo II visitou Marituba, a colônia dos hansenianos e se ajoelhou para rezar na Igreja Nossa Senhora de Nazaré. Fazendo memória desse acontecimento inesquecível para Marituba e os católicos, trazemos o discurso do Papa por ocasião da sua visita na época.

DISCURSO DO PAPA JOÃO PAULO II 

durante uma visita à colônia de leprosos de Marituba

Belém 
terça-feira 08 de julho de 1980 

Queridos filhos

1. Desde que eu anunciei minha viagem ao Brasil durante a sua preparação, recebi uma série de cartas de várias colônias de leprosos neste país, onde fui convidado a visitá-los. Deus sabe o quanto eu gostaria de ter. Vindo aqui para conhecer e Marituba e saudar-vos com afeto paternal, como se visitando todas as colônias de leprosos no Brasil. Alcançá-los a minha palavra para lhes dizer o quanto eu penso, como eu penso deles e orar por eles.

Bendito seja Deus que nos dá a graça deste encontro. É uma graça para mim como o Senhor Jesus, a quem eu ministro e representante para o encontro, pobres e doentes, que foi a escolha real. Eu não posso, como ele, para curar os males do corpo, mas eu quero, por sua bondade, a capacidade de oferecer algum alívio para as almas e corações. A este respeito gostaria que esta reunião é uma graça para você também. Em nome de Jesus estamos reunidos aqui que ele está entre nós, como prometido (cf. Mt 18, 20).

2. Ao encontrar pela primeira vez e querendo fazer amigos, as pessoas tendem a surgir. Você vai precisar que eu faça? Você sabe o meu nome e você tem muita informação sobre mim. Mas eu pretendo fazer amizade com você, eu faço a minha apresentação: Eu venho a você como um missionário enviado pelo Pai e Jesus para continuar a anunciar o Reino de Deus começa neste mundo, mas só tem lugar na eternidade, para consolidar fé de meus irmãos, para criar uma comunhão profunda entre todos os filhos da Igreja. Venho como um ministro e Vigário de Cristo indigno para vigiar a sua Igreja como sucessor humilde do apóstolo Pedro, o Bispo de Roma e Pastor da Igreja universal.

E Simão Pedro, apesar de fraco e pecador como qualquer ser humano, Jesus havia declarado em uma solene sobre o assunto, como sobre uma rocha sólida, seria construir a Igreja ( Mt 16, 18).Ele também prometeu as chaves do Reino com a garantia de que seria ligado ou desligado no céu tudo que ele empate ou desatar na terra (cf. Mt 16, 19). Sendo agora a voltar para o Pai, ainda dizem a Pedro: "Apascenta as minhas ovelhas, apascenta as minhas ovelhas" (cf. Jo 21, 15 e segs.). Eu venho como Sucessor de Pedro, herdeiro da autoridade misteriosa e indescritível espiritual que lhe são atribuídas, mas também uma enorme responsabilidade a ele atribuída. Como Pedro, eu concordei em ser Pastor universal da Igreja, ansiosos para conhecer, amar e servir a todos os membros do rebanho que me foi confiado. Aqui estou para conhecê-lo. Devo dizer que o meu grande carinho por todos e cada um de vocês. Tenho certeza que posso servi-lo de alguma forma.

3. E você, quem é você? Para mim, os seres humanos são, acima de tudo, rico de dignidade imensa que lhe dá personalidade, cada um de vós ricos com características pessoais, único e irrepetível que Deus fez você. Você são resgatados pelo sangue de quem eu gosto de chamar, como eu fiz na minha carta escrita a toda a Igreja e ao mundo o "Redentor do homem."

Vocês são os filhos de Deus, conhecido e amado por ele. Você está agora e você vai permanecer a partir de agora para todos os meus amigos, queridos amigos. Como amigos, gostaria de deixar uma mensagem por ocasião desta reunião que a Divina Providência me permite ter com você.

4. Minha primeira palavra só pode ser de conforto e esperança. Eu sei que, sob o fardo da doença, todos nós sentimos a tentação do desânimo. Não é incomum, infelizmente, perguntar: por que é esta doença? Que mal fiz eu a recebê-la? Um olhar sobre Jesus em sua vida terrena e uma visão de fé à luz de Jesus Cristo na nossa própria situação, mudar o nosso pensamento. Cristo, o Filho de Deus, inocente, reuniu-se no sofrimento carne. A paixão, a cruz, a morte na cruz, ele se esforçou, como anunciado pelo profeta Isaías, foi desfigurada, sem aparência humana ( Is 53, 2). Não esconder ou esconder seu sofrimento, por outro lado, quando eu era atroz, ele pediu ao Pai para afastar o cálice (cf. Mt 26, 39). Mas uma palavra revelada nas profundezas do seu coração: "Não a minha vontade mas a tua" ( Lc 22, 42). O Evangelho eo Novo Testamento nos dizem que a cruz, acolhido e vivido, foi a redenção.

Isso também acontece em nossas vidas. A doença é realmente uma cruz, por vezes muito pesada, prova de que Deus permite na vida de uma pessoa dentro do mistério insondável de um plano que está além de nossa compreensão. Mas não deve ser considerada como uma fatalidade cega. Nem é necessariamente e em si uma punição. Não é algo que mata sem deixar nada de positivo. Por outro lado, embora o peso corporal, a cruz da doença carregada em comunhão com Cristo, também se torna uma fonte de vida de salvação e ressurreição para o próprio paciente e para os outros, para a humanidade. Como o Apóstolo Paulo, você também pode dizer que em seu corpo, você completa o que falta na paixão de Cristo, em nome da Igreja (cf. Col 1, 24).

Tenho certeza que, visto a esta luz, a doença, por mais doloroso e humilhante que humanamente, traz sementes de esperança e conforto razões.

5. Minha segunda palavra é um pedido, mas ainda um convite e incentivo: não aisléis ocasião da sua doença. Todos aqueles com amor, dedicação e competência que você está interessado, talvez até consagrar seus talentos, tempo e energia, eles insistem que não há nada melhor do que sentir profundamente enraizado na comunidade de irmãos e não separados dela. Para esses irmãos dizem que a força da convicção: Conheça seus leprosos companheiros, ficar perto deles, acolhê-la, trabalhar com eles, aceitar e buscar a sua cooperação. Mas também temos que dizer-lhe: Não recuse, por qualquer motivo, vou inserir no ambiente ao seu redor e se abre para você. Saibam que vocês são membros, tanto quanto possível, a comunidade humana, que cada vez toma mais consciência de que precisa de você, porque você precisa de cada um dos seus membros.

Uma comunidade que pode oferecer, em termos humanos, a contribuição dos dons recebidos de Deus. Dentro dos limites naturais, é um campo bastante amplo e variado desta colaboração. No sobrenatural, que é de graça, eu queria lembrar que recentemente, em comunhão com o mistério da cruz de Cristo, a cruz da sua doença é a fonte das graças da vida e da salvação. Seria uma pena desperdiçar por qualquer motivo, esta fonte de graça. Serve para muitos, especialmente para a Igreja. Enquanto na Amazônia, que é o trabalho intenso e frutífero dos missionários cujos frutos recebê-los, eu perguntaria: fazer com a sua condição de doente um gesto missionário de alcance imenso, transformando-o em uma fonte da qual os missionários podem levar energia trabalho espiritual.

6. Minha terceira palavra é confiável. O Papa, juntamente com toda a Igreja, estimo e te amo.Papa leva para você e com você um compromisso de fazer tudo que posso para você e em seu favor. O Papa, deixando ainda para os novos desafios no âmbito desta visita e da sua missão exigente permanece espiritualmente com você. Que o querido irmão do Sr. Aristide Pirovano, seu amigo, quer médicos, enfermeiros, que trabalham aqui, ser os representantes do papa junto com você, fazendo o que ele faria e como faria se pudesse ficar aqui. De minha parte, conto com você: como pedir ajuda das orações dos monges e monjas e muitos santos ao Espírito Santo para inspirar e dar força ao meu pontificado, e peço também a ajuda e preciosa para viver a oferta do seu sofrimento e sua doença. Esta oferta para se juntar as suas orações, melhor ainda, transformar-se em oração para mim, meus colaboradores diretos, para todos aqueles que confiam em mim os seus problemas e tristezas, as suas necessidades e intenções.

Mas por que não começar de imediato esta oração?

Senhor, com fé que você nos deu, eu confesso a
Deus Todo-Poderoso, nosso Criador e Pai providente,
Deus da esperança em Jesus Cristo, nosso Salvador,
Deus de amor, o Espírito Santo, Consolador nossa!

Senhor, confiando em suas promessas não for,
nós sempre vivemos em você, achar conforto na dor.
No entanto, os discípulos de Jesus como somos, não o que queremos,
o seu será feito em toda a nossa vida!

Senhor, grato pela predileção de Cristo,
para os leprosos que tinham a sorte de entrar em contato com ele,
vendo neles ... Também aprecio a favor
em tudo o que nos ajuda, acalma e conforta:
Agradeço-lhe por medicina e médicos,
para a assistência e as enfermeiras, as condições de vida
para aqueles que nos confortar e aqueles que são consolados por nós,
por que nós compreender e aceitar, e outros.

Senhor, concede-nos paciência, serenidade e coragem,
concedei-nos viver um amor feliz, pelo seu amor,
para aqueles que sofrem mais do que nós e com outros que,
embora não o sofrimento, eles não têm noção clara da vida.

Senhor, queremos que nossa vida seja útil, de servir:
para louvar, agradecer, reparar e implorar, com Cristo,
para aqueles que adoram você e para você não adoração no mundo
e sua Igreja, espalhados por todo o terra.

Senhor, pelos méritos infinitos de Cristo na cruz,
"Servo Sofredor" e nosso irmão, a quem participar,
pedimos para as nossas famílias, amigos e benfeitores,
o sucesso da visita do Papa e do Brasil.

Amém.


Fonte: Site do Vaticano.