Conversa ingênua com Nossa Senhora de Nazaré

Maria de Nazaré, Maria de Jesus, Maria de José, Maria de nossos sonhos e esperanças, Maria da humanidade inteira, Nossa Senhora! Batemos à porta de tua casa em Nazaré, tu que és Sede da Sabedoria e ao mesmo tempo mãe de família.

Dá-nos licença para entrar nesta casa sagrada da Sagrada Família. Queremos limpar nossos pés, sujos da poeira e da lama dos caminhos, pois vemos a harmonia que resplandece onde estás! Na Carpintaria de José e Jesus, soubemos que tu tens muito a nos ensinar. Eles foram muito delicados e atenciosos, pois disseram que esta casa tem jeito de Céu!

Antes de nossa conversa, queremos deixar lá fora o que não fica bem em ambiente tão bonito. Soubemos que os rancores, a desunião, o peso da maldade, a indiferença e a desconfiança nos fariam muito incomodados perto de ti. Mesmo que não sejamos imaculados como tu és, não fica bem trazer a maldade para cá. Pedimos até a ajuda de teu amigo Plácido, aquele caboclo que encontrou tua imagem e nos ajudou a lavar mãos e os pés. Ele é parecido com Jesus, teu Filho, que veio para servir e não ser servido e lavou pés dos discípulos para lavar a humanidade inteira, pois é aquele que tira o pecado do mundo.

Aproveitamos para te oferecer teu retrato, que chamamos “imagem peregrina”. Trouxemos lembranças de mais de cem mil famílias que a acolheram. Quem fez este retrato sabia muito bem que tu és mais bonita ainda face a face. Foste muito generosa ao permitir que nossas casas te recebessem. E todos ficaram muito felizes com o recado que nos mandaste, dizendo para fazer tudo o que Jesus diz. Disseram-nos que é uma “receita de milagre” e é verdade! Acolhendo teu conselho, todos os dias são melhores do que os que passaram e aprendemos a olhar para frente, corajosos como discípulos missionários de Jesus.

Obrigado, Maria de Nazaré, pois nos sentimos acolhidos em tua casa. Parece que estamos vendo tudo, até o fundo da cozinha. Já estamos aprendendo a lição da sinceridade, que anda rara em nosso mundo. De repente, tu nos contas histórias de família, dos teus antepassados, homens e mulheres de fé, gente que caminhou como se visse o invisível. Ajuda-nos a valorizar o que recebemos de melhor daquelas pessoas que vieram antes de nós. Sabemos que é hora de olhar para os retratos das paredes de nossas casas e viver de novo a retidão e a justiça, a disposição para trabalhar, a honestidade, a fraternidade e a solidariedade. Com tua ajuda, queremos recuperar o que existe de melhor em nossas famílias e em nosso povo. Aproveitamos esta visita para decidir-nos a melhorar o nosso mundo.

Vimos teu Filho amado junto com José. Eles nos contaram que aqui se reza. É bom saber que junto com José, este casal original que foi pensado pelo Pai do Céu, criou o ambiente para que o Verbo de Deus encarnado vivesse tudo o que humano, menos o pecado. Ora por nós, Maria, Mãe de Deus e nossa Mãe, para que tenhamos gosto pela oração. Aprendamos com tua família a louvar, agradecer, pedir perdão e suplicar. Até Jesus, Cordeiro imolado, pediu perdão e assumiu sobre si os pecados do mundo! Aqui queremos confiar-te todo o povo de Deus e nossas famílias, pois sabemos que continuas a acompanhar a Igreja na peregrinação da fé. Ora por nós agora e na hora de nossa morte!

Nós te agradecemos porque nos mostras a simplicidade de tua casa. Como somos paraenses, trouxemos até um agrado, o açaí, que o Pai do Céu criou com tanto carinho, para que a casa de Nazaré seja também de Belém do Pará! Dize a Jesus que estamos muito contentes com tudo o que recebemos em nossa magnífica terra amazônica e que queremos cuidar bem do que recebemos, para que não falte alimento a ninguém. Da casa da Sagrada Família, queremos levar para nossas cidades e bairros a lição da partilha, com a qual o pouco se transforma em muito.

E agora nós te convidamos a sair conosco pelas nossas ruas. Sabemos que ficas feliz, quando é Círio outra vez e nós também estamos muito felizes. Vem Maria, vem! Vem conosco e caminha conosco. Nossas ruas se tornam tua casa! Quem ninguém volte para casa sem experimentar teu amor materno! Aproxima os distantes, pede a Jesus a graça da reconciliação para os que são inimigos e a conversão para os que estão afastados dele. Virgem de Nazaré, olha para os enfermos, os tristes e as pessoas solitárias. Vê a multidão incontável que olha para ti, faze com que os sentimentos de nossos corações sejam transformados na vida que vem de teu Filho Jesus, para que todos tenham vida em abundância. Feliz Círio para todos nós, ó Virgem de Nazaré!

Dom Alberto Taveira Corrêa
ARCEBISPO METROPOLITANO DE BELÉM DO PARÁ