Novena de Pentecostes

Iniciamos hoje com toda a Igreja a Novena em preparação ao Pentecostes, desejando que o Espírito Santo venha sobre todos nós e nos oriente no caminho de Deus.

Apresentamos a novena que estamos fazendo e antes disso, lembramos o apelo do nosso Pai Fundador, Pe. João Calábria, para nos prepararmos bem para esta grande festa da Igreja. Acompanhemos:

CARTA DO PE. CALÁBRIA AOS RELIGIOSOS SOBRE PENTECOSTES 

Infelizmente, é pouco conhecido o Espírito Santo entre o povo cristão, e talvez se fale dele muito menos do que se deveria. É preciso ter presente que se Jesus é o Chefe da Igreja, seu Corpo Místico, o Espírito Santo é a alma dessa Igreja. Todo membro, ao qual não chegar o influxo vital da alma, seca e morre.

Para agir, todavia, não basta viver de qualquer maneira; é preciso intensidade de vida. Essa vida, bem como essa intensidade e vigor da vida sobrenatural, é fruto do Espírito Santo.

O Espírito Santo operou nos Apóstolos aquela admirável transformação pela qual eles puderam dar um glorioso testemunho de nosso Senhor Jesus Cristo, dia e noite fadigando-se e com alegria sofrendo por Ele, até dar a vida em testemunho da verdade. Sem a assistência e o auxílio do Espírito Santo, como a Igreja teria podido resistir ao imane choque de perseguições e de lutas, superar vitoriosamente as forças do mal, de dentro e de fora, satanicamente conjuradas contra ela? Mas justamente porque conduzida pelo sopro do Espírito Santo, esta mística navezinha, por entre os recifes e as tempestades de um mar traiçoeiro, navega segura para o porto da eternidade feliz.

E também para nós o Espírito Santo é espírito de luz e de verdade, espírito de graça e de santidade, espírito de caridade, de amor e de paz, espírito de sabedoria e de força, de piedade e de alegria.

Deveríamos sentir sempre a necessidade de recorrer ao Espírito Santo, mas especialmente agora, já que parecem ter chegado os tempos infelizes preditos por São Paulo, nos quais “os homens abandonarão a fé para crer nos espíritos do erro e nas doutrinas dos demônios” (1Tm 4,1). Por isso, desejo vivamente que em todas as nossas Casas se faça com particular empenho a novena em preparação à festa de Pentecostes, acrescentando o canto do Veni Creator à recitação do Rosário. Como vocês podem ver, não prescrevo nenhuma outra oração além das normais dos outros anos, mas deixo à devoção de cada um acrescentar, se acharem oportuno, outros exercícios de piedade, por exemplo, a recitação da coroazinha do Espírito Santo. Mas aquilo que recomendo acima de tudo é que se faça essa novena em união com Maria Santíssima, a fim de que ela reze conosco e por nós nesta hora tão grave para a Igreja e para a pobre humanidade. Eu falo a vocês, meus queridos e amados irmãos, mas gostaria que esta minha palavra de sacerdote fosse acolhida por outras pessoas, para que, multiplicando-se as súplicas dirigidas a Deus por meio de Maria Santíssima, nossa Mãe celestial, mais facilmente sejamos ouvidos e atendidos, rezando também conosco e em nós “com gemidos inefáveis” (Rm 8,26) o Espírito Santo.

Sobretudo convido a unir-se à nossa oração na próxima novena ao Espírito Santo as almas sacerdotais e religiosas, os membros dos institutos, que vivem sob as asas da religião e da caridade cristã, e todas aquelas almas que, mesmo sendo do mundo, percorrem o caminho da perfeição evangélica.

Que ao sopro irresistível deste Espírito Santo se renove a face da terra e se obtenha para a Igreja um novo Pentecostes, pelo qual refloresçam o espírito cristão, cessem os ódios, desperte a caridade cristã entorpecida, robusteçam-se os vínculos da verdadeira irmandade em Cristo, reencontrem os afastados o caminho da verdade e da justiça, retornem à única verdadeira Igreja aqueles que dela se separaram, para que, já nesta terra, se forme um só rebanho sob um mesmo Pastor e todos possamos chegar com segurança ao porto da eterna salvação.

Rezem muito por mim, que os levo na mente e no coração, enquanto com fraterno afeto os abençôo. Em C. J. Sac. J. Calabria

Trecho da CARTA XXXVI – Maio de 1944

 NOVENA

Rezemos juntos. Cada dia vamos refletir sobre um dos Dons do Espírito Santo, conforme segue abaixo:

JUNTOS: Vinde, Espírito de Sabedoria! Instruí o meu coração para que eu saiba estimar e amar os bens celestes e antepô-lo a todos os bens da terra.

SOLISTA: O dom da Sabedoria pode ser definido como uma disposição sobrenatural da inteligência que leva a dar valor àquilo que diz respeito às coisas de Deus e à glória de seu nome. "A sabedoria vale mais que as pérolas e jóia alguma a pode igualar" (Prov 8, 11). O dom da sabedoria não se aprende nos livros mas é comunicado à alma pelo próprio Deus, que ilumina e enche de amor a mente, o coração, a inteligência e a vontade. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Entendimento! Iluminai a minha mente para que entenda e abrace todos os mistérios e mereça alcançar um pleno conhecimento Vosso, do Pai e do Filho.

SOLISTA: O dom do entendimento, também chamado "dom da inteligência" ou "dom do discernimento", nos dá uma compreensão profunda das verdades reveladas, sem contudo nos revelar o seu mistério. Só teremos plena compreensão do mistério quando estivermos face a face com Deus. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Conselho! Assisti-me em todos os assuntos desta vida instável, tornai-me dócil às Vossas inspirações e guiai-me sempre pelo caminho dos divinos mandamentos.

SOLISTA: O dom do conselho, também chamado "dom da prudência", nos faz saber pronta e seguramente o que convém dizer e o que convém fazer nas diversas circunstâncias da vida. É um dom de santificação que nos faz viver sob a orientação do Espírito Santo. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Fortaleza! Fortalecei o meu coração em todas as perturbações e adversidades e dai à minha alma o vigor necessário para resistir a todos os meus inimigos.

SOLISTA: O dom da fortaleza, também chamado "dom da coragem", imprime em nossa alma um impulso que nos permite suportar as maiores dificuldades e tribulações, e realizar, se necessário, atos sobrenaturalmente heróicos. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Ciência! Fazei-me ver a vaidade de todos os bens caducos deste mundo, para que não use deles senão para Vossa maior glória e salvação da minha alma.

SOLISTA: Pelo qual nos é concedido conhecer o verdadeiro valor das criaturas em relação ao seu Criador. Iluminado por este dom, o homem descobre ao mesmo tempo a distância infinita que separa as coisas do Criador, sua intrínseca limitação, o perigo que elas podem apresentar, quando, pelo pecado, ele faz uso impróprio delas. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Piedade! Vinde morar no meu coração e inclinai-o para a verdadeira piedade e santo amor de Deus.

SOLISTA: O dom da Piedade produz em nós uma afeição filial para com Deus, adorando-o com amor sobrenatural e santo ardor, e uma terna afeição para com as pessoas e coisas divinas. (Glória ao Pai...)

JUNTOS: Vinde, Espírito de Temor de Deus! Repassai a minha carne com o Vosso santo temor, de modo que tenha sempre Deus presente e evite tudo o que possa desagradar aos olhos de Sua divina majestade.

SOLISTA: O Dom do "Temor de Deus" aperfeiçoa a virtude da Esperança. O temor de Deus é filial. É o temor de nos afastar do Pai que nos criou e que nos ama, de ofender a Deus que, por amor, sempre nos perdoa. O filho que ama o pai não quer ficar longe dele nem fazer algo que o possa magoar. É um temor nobre que brota do amor. Um temor filial, perfeito e amoroso. O temor de Deus é um dom do Espírito Santo que nos inclina ao respeito filial a Deus e nos afasta do pecado. (Glória ao Pai...)

PARA TODOS OS DIAS: (ao final da oração para cada dia)
- Enviai o Vosso Espírito e tudo será criado.
- E renovareis a face da terra.

OREMOS: Ó Deus, que instruístes os corações dos fiéis com a luz do Espírito Santo, dai-nos pelo mesmo Espírito o conhecimento e o amor da justiça e que gozemos sempre da Sua consolação. Amém.

* Rezar três Ave-Marias com a invocação: Rainha dos Apóstolos, rogai por nós!