Maria do Sim - Pe. Marcos Sandrini

Neste mês de maio, dedicado a Nossa Senhora, a proposta é refletir sobre o “Sim” de Maria a Deus e seu exemplo para todos nós.
Há um canto muito conhecido na Igreja Católica chamado de “Maria do Sim”. É muito importante lermos a vida de Jesus e de Maria não na linha negativa, mas afirmativa. Isto pode ser entendido de duas maneiras. A primeira é não olhar suas vidas como negação de tudo o que é bom e de tudo o que agrada às pessoas. A vida cristã é feita de renúncias, mas não só delas. A segunda, é ser positivo em tudo o que se faz e se decide.
A Bíblia está cheia de SIM. Há uma palavrinha latina que pode resumir o que estamos dizendo: FIAT, isto é, FAÇA-SE.

Três SIM fundamentais
O primeiro grande SIM foi pronunciado por Deus no início do mundo, na criação. O mundo é um grande sim de Deus.
O segundo SIM foi pronunciado por Maria na Anunciação do anjo. É interessante que, antes de pronunciar definitivamente seu sim, Maria questionou a Deus. A obediência é uma virtude humana e cristã desde que seja consciente e esclarecida. Obediência cega não faz bem nem para a sociedade, nem para a Igreja. Maria questionou o Anjo Gabriel, enviado por Deus: “E disse Maria ao anjo: Como se fará isto, visto que não conheço homem algum?” (Lc 1,34). Só depois da resposta do anjo, Maria pronunciou o seu sim.
O terceiro grande SIM foi pronunciado por Jesus no Monte das Oliveiras. Este sim também foi dado de forma consciente e esclarecida. “Indo um pouco mais adiante, prostrou-se com o rosto em terra e orou: ‘Meu Pai, se for possível, afasta de mim este cálice; contudo, não seja como eu quero, mas sim como tu queres’” (Mt 26,39). Este é o sim da redenção e da nova criação.
É claro que na história houve muitos nãos também. Eles, porém, não contam para a salvação e libertação das pessoas e da humanidade.

Comprometer-se por amor
O importante é vermos a importância do SIM na vida das pessoas e da humanidade. É muito feio uma pessoa que só sabe pronunciar NÃO, isto é, que em tudo vê dificuldade. A vida é feita de generosidade. O sim de Maria dominou completamente sua vida. Acompanhou Jesus afirmativamente de Belém a Nazaré e de Nazaré a Jerusalém. Certamente Jesus lhe deu muitas alegrias, mas também muitas interrogações, inquietações. Não é por nada que “ela guardava todas estas coisas meditando-as em seu coração” (Lc 2,52). O canto capta perfeitamente o significado do sim: “Porque dar um SIM é igual a sofrer”. A coerência de vida no meio de tantas infidelidades e negatividades é sinônimo de sofrimento. Sofrer por amor, porém, é possível desde que a opção seja maior que a renúncia. Quem escolhe, vive feliz e realizado mesmo no meio de sofrimentos generosos.

Toda pessoa é um sim

Esta reflexão que estamos fazendo pode levar-nos a diversas consequências. Vou assinalar apenas duas.
É muito comum pessoas gerarem filhos fora de um contexto de amor, de fidelidade, de comprometimento... Então, dizem: “Meu filho é um erro, foi gerado sem planejamento”. É claro que precisamos educar as pessoas para gerarem seus filhos dentro da paternidade e maternidade responsáveis. Não é brincadeira colocar um filho ou filha no mundo. No entanto, filho nenhum é erro. Se não houve um sim do homem e da mulher, houve um sim de Deus. Afinal, o Profeta Jeremias 1,5 já diz: “Antes de te formar no ventre de tua mãe, eu te conheci; antes que fosses dado à luz, eu te consagrei, para fazer de ti profeta das nações”. Toda pessoa é um sim do amor de Deus e quando for acompanhada do sim humano, mais realizada será.
Há uma expressão também muito usada entre nós. É costume chamar as pessoas de outras religiões de “não-cristãs”. Nenhuma pessoa é “não”. Toda pessoa é “sim”. Por que uma pessoa de outra religião é um Não?Causou-me espanto quando fui questionado pela primeira vez por um salesiano indiano que me indagou porque eu chamava as pessoas de outras religiões de não-cristãs. Ela é de outra religião. Isto é importante porque vai dar uma postura ética diferente. Os outros também têm nome, como os católicos. São muçulmanos, judeus, budistas... Nossa civilização é “branca, adulta, cristã, ocidental e masculina”. Por isso é que é muito difícil abolir o racismo, o machismo, o fundamentalismo... O outro, o diferente, também é um sim.

O sim do educador
Dom Bosco adotou Nossa Senhora Auxiliadora como Mãe e Mestra. Ela carrega um menino no colo fruto de seu SIM generoso ao projeto de Deus. É assim o educador. Ele carrega nos braços, no coração e na cabeça as crianças, adolescentes e jovens que Deus generosamente coloca em seu caminho.
O sim de Deus, de Maria, de Jesus é incentivo à generosidade e à acolhida dos desafios de Deus. Num mundo que pronuncia tantos nãos é importante dizer nosso sim. Mesmo que os mandamentos da lei de Deus exarados na Bíblia comecem sempre com um não, eles apontam para um grande sim pronunciado por Deus. “Eu sou o Senhor teu Deus, que te tirei da terra do Egito, da casa da servidão” (Ex. 20,12).