ESTUDO SOBRE A COPA

No dia 23 de junho de 2014 a Comunidade do COV Nossa Senhora de Nazaré reuniu-se para partilhar as suas pesquisas realizadas sobre a Copa, sediada no Brasil entre os dias 12/06 a 13/07/2014.

Sobre o tema foram abordados os seguintes aspectos: histórico, econômico, social, político, ideologias, simbologias e considerações internacionais. Apresentamos um resumo da partilha. 

Histórico


A Copa do Mundo de Futebol da FIFA, maior evento dedicado ao esporte no mundo, teve sua origem no final do século 19, com a realização de torneios entre times de vários países.

O futebol foi inserido na categoria “demonstração” nos Jogos Olímpicos de Verão de 1900, 1904 e 1906, mas foi apenas em 1914 que a FIFA - Federação Internacional de Futebol Associado oficializou a competição.

Em 1924, aconteceu a primeira disputa de futebol intercontinental e, finalmente, em 1930 foi realizada a primeira Copa do Mundo no Uruguai.
Desde a sua criação, a competição mundial de futebol acontece de quatro em quatro anos, atraindo a atenção de milhões de pessoas no mundo todo.
O Brasil participou de todas as edição da Copa do Mundo, tendo alcançado a marca de 5 títulos mundiais.


Economia

Cogitada como a Copa mais cara da história, o Mundial teve um investimento de aproximadamente R$ 29 bilhões, segundo o Tribunal de Contas da União (TCU). As obras dos estágios custaram 
R$ 8 bilhões, exceto os investimentos em reurbanização, segurança, rodovias, aeroportos, entre outros. O vencedor do Mundial levará o prêmio de R$ 73 milhões. 

Social

Estágios luxuosos, imensos com capacidade para 73.531 pessoas (o caso do Maracanã, no Rio de Janeiro) e outras obras como já mencionadas equivaleram a aproximadamente R$ 8 bilhões. Estágios que futuramente não terão grandes utilidades, como no caso do de Manaus, que em uma linguagem popular tornar-se-á um “elefante branco”.

A pergunta é: por que a saúde e a educação, por exemplo, que são tão precárias, não recebem maior investimento? Outro aspecto a considerar é o crescimento da violência. Pouco e nada se faz para resolver a questão. Esse é o país do futebol, bola e festa para todos. Saúde e educação para alguns.

Político

O setor político do Brasil não é visto com bons olhos. O país da Bolsa Família, ou como já diziam em outrora o país que vive de pão e circo. Que país é esse?
País que infelizmente não vive sua história política. País que vive de uma assistência provisória, chamada Bolsa Família. País que para fazer política, faz baderna na rua, esquecendo que a melhor forma para reivindicar seus direitos é na urna.

Ideologia e Simbologia

Sediando a Copa 2014, o Brasil mostra o quanto seu lema ideológico não é eficaz: Ordem e Progresso. Diante de manifestações/ protestos vimos que não há ordem em nosso país, e a não conclusão dos estágios mostra que o Brasil, tendo capacidade suficiente para esse desenvolvimento, mostra que está longe do Progresso.

Homenageado pela FIFA, como país sede da Copa, o Brasil ganhou como mascote, o “Fuleco”; um tatu, por dois motivos. Primeiro, o animal símbolo quando se fecha fica no formato de uma bola (instrumento fundamental do futebol), e segundo motivo foi porque o animal é um dos que estão ameaçados de extinção.

Considerações Internacionais sobre o Brasil como país sede.
Criticado, insultado e podemos dizer repudiado, são essas as palavras que definem as considerações dos países europeus e americanos em relação ao Brasil como sede da Copa.

O jornal francês Le Monde descreve São Paulo como uma selva de pedra “sempre em busca de seus limites entre luxo e miséria gigantismo”.

O The New York destacou o Brasil como um país com “ansiedade profunda” entre os brasileiros, em meio aos preparativos para a Copa e a crise econômica.

A revista francesa France Football detona o Brasil e aponta Copa no país como o “Mundial do Medo”. Fazendo considerações pesadas e reais sobre o Brasil. Considerações sobre a política, a saúde, o turismo, as telecomunicações e a segurança do nosso país. Não é algo agradável para se ouvir, mas infelizmente é a verdade.

Diante das apresentações realizadas pelos seminaristas, tivemos como conclusão que no país do futebol falta algo que vale por toda a vida: a educação. Lamentável que um país que tem tudo para ser bom, nada faz para melhorar. Corre sempre atrás do prejuízo e os investimentos em áreas que são essenciais, como saúde, educação, segurança, são insuficientes e o mais triste é saber que tem recurso para serem investidos.