MANTO DO CÍRIO 2015 É APRESENTADO AOS FIÉIS


O Manto da Imagem Peregrina do Círio 2015 nos remete ao título de “Maria, Mulher Eucarística”, a Arca da Nova e Eterna Aliança, o Sacrário Vivo do Filho de Deus, a Mãe que fez de sua vida uma permanente ação de graças a Ele, uma permanente Eucaristia, exemplo que nos impele a assim também fazer de nossa existência.

A seguir, a descrição dos elementos utilizados:

A Hóstia e o Cálice – o Sol do Amor

A Hóstia e o Cálice significam o Santíssimo Corpo e o Preciosíssimo Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo, o Sol do Amor, aqui simbolizado nos raios dourados que Dele transcendem.

Os raios, os cristais e as pérolas

Dos raios dourados que partem de Jesus Eucarístico emerge nuances de luz que se estendem por todo o Manto, em pontos de cristais e em pérolas que compõem o fundo, simbolizando a efusão da luz divina que Dele emana. O Manto de Nossa Senhora, símbolo da proteção espiritual da Mãe sobre nós, seus filhos, é, portanto, revestido da luz do céu.

O “M” de Maria e a Coroa da Rainha

O “M”, situada abaixo da Hóstia e do Cálice simboliza o Santíssimo Nome de Maria, a Aurora Fulgurante da Misericórdia que anuncia o Sol do Amor, Jesus Cristo. A Puríssima Virgem, suave e bela, é a Aurora da nossa Salvação. Sendo Aurora do Sol, Nossa Senhora humildemente coloca-se embaixo Dele, O oferecendo ao Pai, por nós, em supremo culto de adoração, como o faz a cada Santo Sacrifício da Missa. E porque se fez serva do Senhor, foi pela Trindade Santa coroada como Rainha do Céu e da Terra, aqui simbolizada na Coroa acima do “M”.

Os Anjos Adoradores

Situados aos pés de Jesus Eucarístico, ladeando-O, temos dois Anjos ajoelhados em contrita e humilde oração, os quais retratam os Anjos que ladeiam o Sacrário da Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, isto é, o Tabernáculo que, na Casa da Rainha da Amazônia, guarda a Hóstia Santa. Os anjos adoradores são, portanto, uma representação de todos os anjos da Corte Celeste, que adoram eternamente o Filho de Deus.

São Miguel Arcanjo na barra do Manto

Inspirados no mosaico do Altar erigido em honra de São Miguel Arcanjo na Basílica Santuário de Nossa Senhora de Nazaré, a geometria da barra do Manto e os arabescos situados nos cantos, remete-nos ao Arcanjo que no grande combate travado no Céu proclamou: “Quem como Deus”? E, assim, com a Espada de Verdade, venceu o mal, tornando-se “O Príncipe da Igreja” e nosso defensor. São Miguel Arcanjo homenageado no mosaico da barra do Manto simboliza, ainda, a sua humildade perante o Deus Altíssimo e a Rainha dos Anjos.

As pequenas rosas

As pequenas rosas que pontuam os arabescos e o mosaico da barra do Manto simbolizam a simplicidade das nossas orações unidas às orações de Maria, bem como as graças alcançadas por sua intercessão.

Dom Vicente Joaquim Zico

O broche que fecha o Manto a frente, traz em alto relevo o rosto de Dom Vicente Joaquim Zico, 8º Arcebispo de Belém, falecido em 04 de maio de 2015. Um mariano por excelência, apaixonado pelo Círio de Nossa Senhora de Nazaré e adorador amoroso da Santíssima Eucaristia, Dom Vicente é aqui homenageado pelo povo do Pará por sua imensa contribuição à causa da Evangelização na Amazônia.


SOBRE O TEMA: MARIA, MULHER EUCARÍSTICA

“Casa de Ouro, Arca da Aliança, ó Maria, que o meu coração seja como o teu, na Santa Comunhão, verdadeira Casa de Deus”.

São Luiz Maria Grignion de Montfort

Maria, a Mãe do Filho de Deus que se fez carne e habitou entre nós, é a Arca da Nova e Eterna Aliança, um dos títulos com que a honramos na Ladainha. E, assim o é porque, como um Sacrário Ela guardou em seu ventre a natureza humano-divina do Salvador. Dando o seu “SIM” ao projeto de Deus, Maria nos ofereceu a Salvação. Assim como testemunhou, de pé, o Santo Sacrifício do seu Filho na Cruz, também no Santo Sacrifício da Missa, Memorial da Paixão, Morte e Ressurreição de Nosso Senhor Jesus Cristo, Maria se faz presente, aos pés do Altar da Cruz e ao nosso lado na Comunhão.

Conforme ensina São João Paulo II, na Encíclica Ecclesia de Eucharitia, existe uma profunda analogia entre o “Fiat” pronunciado por Maria, em resposta às palavras do Anjo, e o “Amém” que cada fiel pronuncia quando recebe o Corpo do Senhor (EE 55). Do mesmo modo que à Santíssima Virgem foi pedido que cresse que o fruto que em seu Ventre seria gerado era o Filho do Altíssimo, no mistério eucarístico nos é pedido para crer que a Hóstia Santa que comungamos é o verdadeiro Corpo e Sangue do Filho de Deus, nascido de Virgem Maria (EE 55).

Maria acatou o desígnio de Deus para, em seu corpo e em sua alma, ser um templo santo para que Seu Filho viesse habitar; o que nos exorta a sermos também um templo santo para recebê-Lo na Comunhão; e sermos, assim, verdadeira Casa de Deus.